Filmes, Quadrinhos

[Filmes] Guardiões da Galáxia – Ame-o ou ame-o?

Há alguns dias, fomos conferir o novo filme da MARVEL: Guardiões da Galáxia, com a direção e roteiro de James Gunn e Nicole Pearlman, também roteirista.
Bom, o que falar do filme? Muita coisa. Guardiões da Galáxia (GoG) tem um bom roteiro, uma ótima direção e, até então, está no nível (ou talvez acima) das demais produções do Marvel Studios. Não tem como não se empolgar com o longa. É aquele tipo de filme em que você não sente a hora passar mesmo se a produção durasse cinco horas. Uma maestria que poucos conseguem realizar com a sétima arte, com empolgação do inicio ao fim.
O longa traz a história de uma das formações de GoG, a mais recente. É isso que o Marvel Studios fez, e pelo que parece, deu super certo focar numa equipe que possui um “Guaxinim” e uma “árvore humanoide” (Ent?), montando um elenco de personagens bizarros e carismáticos. Em uma sinopse rápida, temos o humano Peter Quill, interpretado pelo Chris Pratt, roubando um objeto que um alienígena deseja. Esse é Ronan (Lee Pace) , o Acusador da raça Kree que deseja a todo custo obter o objeto roubado por Quill. Assim, conhecemos outros personagens que vão atrás do autointitulado “Senhor das Estrelas” para capturá-lo: Gamora (Zoe Saldana), Rocket Raccon (Bradley Cooper) e Groot (Vin Diesel), e depois Drax (Dave Bautista), formando os Guardiões da Galáxia.

Gostei de todas as caracterizações. A apresentação dos personagens está bem trabalhada e, aos poucos, todos vão sendo explorados. O filme contém uns “easter eggs” interessantes de personagens que você, caso tenha lido ou tido algum contato com os quadrinhos, talvez deva conhecer, mas isso não influencia em “pn” do filme. Houve um medo por parte dos produtores, leitores, críticos e pessoas normais que o Rocket Cooper não funcionasse nos cinemas. Ledo engano. Rocket é um dos que chamam atenção. A dublagem de Bradley Cooper está fenomenal, e, pra mim, foi umas das coisas que fez  o “Guaxinim” funcionar. Mas não é só ele, não. Ao lado de Groot, seu incansável e instigador amigão, os dois formam umas das melhores duplas na adaptação. Groot é aquele tipo de personagem que você provavelmente vai amar, mas é possível que muitos sintam que ele ficou um pouco ingênuo e bobo na caracterização. Uma inverdade. Groot é um ser Colossus Floral, uma espécime raríssima das Galáxias e SUPER inteligente. Espero que trabalhem mais o personagem nas próximas aventuras da equipe.


Pratt está formidável no papel do Quill. Ele faz com que você se afeiçoe ao seu estilo Han Solo, sabe/ (Sim, há semelhanças com a obra do Lucas, mas isso não vem ao caso.) Gamora e Drax eram personagens os que poderiam fugir dessa questão de comicidade, mas não, eles também estão ótimos. Sinceramente, Drax Bautista era o meu medo nessa adaptação, trabalhado como só mais um cara com músculos na equipe. Acabei adorando o jeitão do personagem. Aquele humor mais “mistureba” do Drax, onde há uma leve acidez com uma “ingenuidade”, faz com que você goste de sua participação. Gamora é mais séria e dá um equilíbrio no time (até porque estamos da mulher mais letal da galáxia (ou não). Não sei ao certo se ela foi bem aproveitada ou se teve uma boa adaptação. Ao menos, esperava uma Gamora menos humana, com menos fraqueza. Outra observação é sobre Yondu, pois trabalharam o Bárbaro de Pele Azul como uma espécie de anti-herói.
O visual está espetacular, também. As ambientações chamam atenção, demonstrando uma bela direção de arte por detrás do trabalhoso GoG. Os cenários alienígenas, as naves, tudo está muito bem aproveitado no 3D (e se possível, assista em IMAX. Aí sim, é degustação visual). Só de lembrar ao ver o titã Thanos, bem realista por sinal, em um ótimo 3D me satisfez. As cenas das batalhas aéreas ficaram melhores do que as dos personagens em terra, a meu ver.
Outra característica é referencia musical que o filme traz. Anos 70 e 80 são as principais fontes que walkman de Peter Quill traz, colocando o filme um ar mais cômico ainda. Assim, temos desde Hooked on a Feeling, do Blue Swede, passando pelos saudosos Jackson 5, com I Want You Back, até Cherry Bomb, do The Runaways e Come and Get You Love, do Redbone. A referência à fita cassete em um mundo totalmente digital é ótima, traz um sorriso amarelo aos rostos e se encaixa perfeitamente na narrativa. Aliás, segue abaixo a trilha sonora supimpa. Basta clicar para curtir <3

Awesome Mix Vol. 1 from amadfangirl on 8tracks Radio.

No mais, Guardiões da Galáxia está no top 5 de melhores do ano. E sinceramente, no melhor posto de filmes da Marvel, até então. Que me desculpem os Soldados Invernistas e os Vingadoretes, mas Groot, Rocky, Quill, Gamora e Drax, não necessariamente nessa ordem, me fizeram mudar de opinião. Em suma, tem-se um filmaço, muito bem produzido e ambientado. E por conta da confiança no sucesso do filme, o estúdio já confirmou a continuação. Assim, espera-se que Guardiões da Galáxia possa ser uma brecha boa para outros personagens que ficaram e ficam escondidos nas galáxias.

 

Previous Post Next Post

You Might Also Like

No Comments

  • Reply Felipe Lemos agosto 15, 2014 at 5:46 pm

    Poxa, muito bom! Concordei em gênero, número e grau!

  • Leave a Reply